Acesso a Intranet

Artigos

Como avaliar e administrar a condição corporal

 

O técnico, especialmente o produtor, precisa aprender avaliar o escore(condição corporal) de seus animais para tomada de decisões seguras sobre o manejo alimentar e reprodutivo na fazenda, observando as diferentes categorias animais para extrair a  melhor relação custo benefício.

O acompanhamento do peso dos animais pode ser feito com uma fita, através da medida do perímetro toráxico, ou pela pesagem simples.

Ocorre que os meios de fazer a pesagem nem sempre estão disponíveis na fazenda; pela falta de balanças, pela dificuldade de contenção dos animais, ou pelo fato dos animais estarem em retiros sem estrutura.

O escore corporal dos bovinos é a condição do animal em termos de musculatura e gordura. È a analise visual da cobertura muscular e de gordura da anca da vaca. 
        
Os fatores ambientais interagidos com os genéticos, nutricionais e os sanitários determinam a condição corporal dos animais. 

Quando em visita a uma fazenda, um profissional experiente, ao visualizar os animais, os pontua, de forma simples rápida e segura.

A ação de avaliar o animal pelo escore, tem alta repetibilidade para o mesmo profissional e também entre avaliadores diferentes e observações diferentes, servindo para as seguintes finalidades:

  • Avaliar o manejo nutricional da fazenda.
  • Comparar animais em diversas condições de tratamento, ambiente ou manejo.
  • Estabelecer a correlação da condição das vacas (escore) com taxas de concepção(cio fértil).
  • Avaliar e selecionar vacas e novilhas, para programas de reprodução.
  • Decidir quanto à suplementação alimentar em épocas de escassez de forragem.
  • Compra de animais em pé.
  • Manejar pela condição corporal, animais de engorda a pasto e em confinamentos.
  • Estabelecer a correlação de peso e rendimento de carcaça.
  • Avaliar e separar animais no rebanho, para reposição.
  • A cada condição corporal é dado um valor numérico, denominado escore, que varia de um a cinco; sendo que para as vacas extremamente magras se atribui número 1 e para as extremamente gordas, número 5.

O escore de condição corporal é determinado por observação visual da anca do animal, das vértebras lombares, na altura do vazio, ossos da bacia (íleos, ísquios), observações da forma da musculatura correspondente à anca (côncava, plana ou convexa).

Número1(vaca muito magra), 2(vaca magra), 3 (vaca regular), 4( vaca boa), 5 (vaca gorda). Na prática a condição corporal ideal para a vaca é a condição 4 ou seja boa, pois com bom estado de carne no momento do parto o cio aparecerá até 90 dias, conforme quadro 1. A presença de gordura sobre as costelas dos animais, região do lombo, na anca e na inserção da cauda(rabo) é que indica se a vaca esta em boa condição corporal.

Vaca que pare magra; demora dar cio, reduz a produção de leite devido à falta de reservas corporais.

Vaca gorda é prejuízo pois comeu excesso de alimento, que foi transformado em gordura, terão mais complicações ao parto e maiores dificuldades de ingerir alimento aumentando as doenças metabólicas(síndrome da vaca gorda, cetose), e também redução da produção de leite.

Em vacas de leite, a condição corporal se modifica através do período de lactação. No início da lactação as vacas tem um balanço energético negativo (gastam mais energia do que comem) e emagrecem  reduzindo sua condição corporal (mobilizando as reservas do corpo).

Para cada quilo de gordura mobilizado da vaca, é produzida energia suficiente para produzir 6 quilos de leite.

No final da lactação as vacas têm um balanço energético positivo e ganham peso (condição corporal), repondo as reservas perdidas no início da lactação. Portanto, a condição corporal se altera de acordo com os estágios da lactação.

Conforme as pesquisas. As vacas em início de lactação não devem perder mais de 1 quilo de peso por dia, o efeito da perda de escore de condição corporal do início da lactação sobre a taxa de concepção(cio fértil), mostram que se a vaca perde uma unidade de escore corporal terá apenas 50% de taxa de concepção, se perder de uma a duas unidades terá apenas 34% de taxa de concepção, se perder mais de duas unidades terá apenas 21% de taxa de concepção ao cio.   
Os escores de condição corporal recomendados pela pesquisa  para os vários estágios da lactação são:À  parição a vaca precisa estar com escore de 3,0a 4,0.

À cobertura o escore 2,5 é suficiente.
Ao término da lactação escore ideal da vaca é de 3,0 a 3,5.
No período seco a vaca  precisa  estar com escore de  3,0 a 3,5.É importante na transição da estiagem para as águas, e na estação de monta, ministrar para as vacas de cria (corte), um produto com alto teor de fósforo e proteínas, objetivando melhor escore corporal, melhores índices da reprodução e melhor cria do bezerro durante o período de lactação.


                                                                         Waldson Costa
                                                                  Médico Veterinário 
                                                                 Nutroeste Nutrição Animal

 

« voltar