Acesso a Intranet

Artigos

Como conservar forragens através da fenação

A fenação é uma técnica de conservação de forragens, através da desidratação parcial da massa. Tem como objetivo preservar um alimento de bom valor nutritivo, com o mínimo de perdas de produção. Deve ser vista, como uma boa opção para o aproveitamento do excesso de alimentos produzido nos pastos durante a estação chuvosa.
    
A falta de conhecimento e de domínio da tecnologia da fenação, aliada a baixa disponibilidade de máquinas eficientes, e o custo elevado de máquinas importadas, deixa em segundo plano a produção de feno pelos produtores do Centro Oeste.

Como o momento da fenação coincide com o período chuvoso do ano; sempre prevaleceu o conceito de que o processo de fenação é difícil de executar. Neste período, as plantas estão em seu pleno estágio vegetativo, em crescimento e com maior valor nutritivo.
    
No entanto, a introdução de certas forrageiras de alto potencial de produção, e de alto valor nutritivo; adaptadas ao processo de corte, como o tifton, o florakirk, o coast-croos, contribuem para a difusão da tecnologia de produção de feno.

Se os produtores fazem a fenação no início da estação seca, coincide com o período de floração do capim; a planta neste estágio tem baixo valor nutritivo (diminuição da proteína, fósforo e da digestibilidade) produzindo um feno de baixa qualidade.

Níveis de digestibilidade da matéria seca (alimento sem água.), abaixo de 60% podem comprometer o consumo pelos animais.

O nível crítico de proteína do capim situa entre 6 e 7 %( na Matéria Seca), abaixo disso os animais diminuem a ingestão.

Os capins para a fenação devem ser utilizados no máximo até 9 semanas (63 dias), quando os níveis de proteína ainda estão acima dos níveis críticos.
    
O feno é um alimento para ser fornecido aos animais nos períodos de seca, ou de falta de volumoso. É de fácil transporte e distribuição.

A quantidade de feno consumida por dia, deve estar em torno de três quilos por 100kg de peso do animal. Quanto menos livre for o acesso do animal ao feno, menores serão as percas.

Cuidados com o campo de feno:
    
A área de fenação deve ser mantida livre de paus, pedras, tocos cupins, valetas.
A fertilidade do solo influi no rendimento da produção do capim, e na qualidade do feno.

Para um sistema de produção de feno, é extremamente importante a adubação uniforme de manutenção após cada corte; pois representa uma grande retirada de nutrientes do solo, principalmente nitrogênio, fósforo, potássio, enxofre, cálcio e magnésio.

O campo de feno deve ter homogeneidade na produção, no vigor da planta, altura e regularidade de corte em toda a área. A desuniformidade na rebrota provoca acamamentos, relação haste folha desigual, afetando a qualidade do feno.
    
Pesquisadores da Esalq-USP( Universidade de São Paulo), mostram que a fenação pode ser feita de 3 a 4 dias sem chuva, preferencialmente de janeiro a março( bastam de 24 a 36 horas para fazer o trabalho).

O maior risco vai de dezembro a fevereiro onde ocorrem as chuvas de manga.
    
“Na fenação a pressa é amiga da perfeição.” Quanto mais rápido o processo de desidratação, mais rápido é atingido o ponto de feno.
    
A ceifadora ou segadora, é das principais ferramentas. A sega deve ser realizada pela manhã após o desaparecimento do orvalho. O momento de corte do capim é muito importante. Após o corte forma-se uma leira padrão, que apresenta desuniformidade  na secagem. Duas horas depois do corte, e de duas em duas horas, movimentar a massa cortada com ancinho aranha. Assim todo o capim atingirá o ponto de feno desejado, com uniformidade, e rapidez.

A desidratação se dá em duas etapas: quando ocorre perda rápida da água, o teor de umidade do capim cai de 80-90% para 60-65%.

Após esta etapa ocorre perca mais lenta; é quando o teor de umidade cai de 60-65% para 12-18%(ponto de feno).

Teste prático de verificação do ponto de feno:

Coletar amostras de diversas leiras.
Tomar um feixe de feno e segurar com as duas mãos.
Pressionar o polegar e o indicador no feixe de feno.
Proceder a torção do feixe de feno.
Se o feixe de feno se romper após a pressão, a secagem foi excessiva.
Se o feixe de feno não se romper mas verter líquido(seiva), no ponto de pressão, é sinal que a massa ainda está úmida, e o processo de secagem deve continuar.
O ideal é quando após a torção o feixe de feno não se rompe e também não acusa umidade no ponto de pressão.
O enfardamento do feno é a etapa seguinte:
    
Os fardos cúbicos pequenos são de 13-15 kg, (36 x 46 x 90 cm) são os mais aceitos comercialmente.
Os fardos médios redondos, até 250-300 kg, e os pequenos devem ser retirados do campo de feno imediatamente, e armazenados em local seco, sombreado e ventilado.
Os fenis devem ter média de 6 metros de pé direito, com tijolos furados para ventilação. Um metro cúbico de construção abriga média de 120 kg de feno.
A vistoria diária no fenil é fundamental para verificar se não há fermentação, o procedimento é a introdução do braço entre as pilhas de fardos.
Se encontrar aumento de temperatura, os fardos devem ser desfeitos, procedendo nova secagem.
A armazenagem em medas no campo,  provoca percas de qualidade e é indicada para fenos de qualidade inferior. As medas, deve ser de formato circular, cônicas, no máximo com 4 metros de altura, para estabilidade e proteção contra as chuvas.
    
A utilização fardos gigantes, dispostos no pasto, na pecuária de corte, ocorre percas de 10 a 60%.
Em pequenas propriedades a fenação pode ser realizada manualmente, sem a utilização de máquinas.
Dúvidas ou mais informações, procurar um técnico para esclarecimentos.

     

00000175-131716311.jpg
Clique aqui para ver o Fluxograma
Clique aqui para ver o Fluxograma

 

« voltar