Acesso a Intranet

Artigos

Vacine corretamente e evite prejuizos

O homem está diretamente ligado ao controle sanitário dos rebanhos bovinos de corte e leite, pois ele, alimenta-se do leite, da carne e seus derivados, fontes de proteína, que se contaminados, transmitem doenças, as chamadas zoonoses (doenças comuns aos animais e ao homem).
     
Animal doente; significa prejuízo para o dono, perdendo na produção, ou gastando com medicamentos.
     
As vacinas são capazes de estimular no organismo que as recebe, um estado de resistência parcial ou total, contra uma determinada infecção; e são eficientes para a prevenção e controle de determinadas doenças.
 
O número de animais com boa taxa de proteção, ocorre com uma dose de reforço na primovacinação, (primeiro contacto do animal com a vacina), isto traz mais segurança na proteção contra a doença.


Recomendações para a eficiência das vacinas:

  • Ao adquirir a vacina verificar os frascos, cujos rótulos devem conter o número de partida, data de fabricação e prazo de validade. Jamais utilizar  vacina  vencida.
  • Transportar a vacina em isopor com gelo.
  • Manter a vacina em geladeira, à temperatura entre 2 e 8 ºC ; não congelar.
  • Observar o modo de aplicação e dosagens; conforme recomendação do laboratório fabricante.
  • Obedecer o prazo de carência estabelecido para as vacinas, evitando consumo de carne e leite.
  • Vacinas diferentes, nunca devem ser combinados, a não ser que as vacinas sejam embaladas para serem misturadas posteriormente.
  • Não utilizar vacinas de frascos já abertos, com sobra de produto.
  • Não vacinar nas horas muito quentes do dia e, após a vacinação, evitar movimentar os animais pelo menos durante duas horas.
  • Queimar e enterrar profundamente os frascos e restos de vacina.
  • Nunca vacinar animais debilitados, doentes, em convalescença ou mal nutridos ou ainda, submetidos a viagens prolongadas ou trabalho de parto.


Antes da aplicação:

  • Limpar e esterilizar  a seringa e ferver as agulhas.


Durante a aplicação:

  • Manter a vacina em caixa de isopor com gelo, à sombra e protegida da radiação solar direta.
  • Utilizar agulhas de 15x18 para aplicar vacina pela via subcutânea (debaixo da pele) e agulha 20x18 para aplicar vacina pela via intramuscular (no músculo).
  • Retirar e aplicar vacina utilizando agulhas esterilizadas, através da fervura; o uso de desinfetantes para esterilizar as agulhas é impróprio, porque podem  inativar a vacina.
  • Manter a pistola sob a mesma temperatura da vacina (2º a 8ºC),
  • Agitar o frasco de vacina  todas às vezes que a seringa for reabastecida.
  • Após abastecer a seringa, recolocar o frasco da vacina no gelo e tampar a caixa de isopor.
  • Certificar-se de que o conteúdo da seringa contém a dose certa e que não existem bolhas de ar.
  • Aplicar a vacina na tábua do pescoço pela via subcutânea (debaixo da pele) ou intramuscular (dentro do músculo) tendo o cuidado de manter a seringa na posição inclinada, quase em pé, com a agulha apontada para baixo,
  • Certificar-se de que a dose da vacina foi totalmente aplicada e que não escorreu pelo orifício deixado pela agulha.
  • Após vacinar cada grupo de dez animais, substituir a agulha por outra limpa e esterilizada (fervida).
  • Evitar atropelos, choques e maus tratos  dos animais durante a vacinação.
  • A fim de facilitar o manejo, pode-se utilizar mais de uma vacina na mesma ocasião.

As anotações e controle da vacinação executada, devem ser escritas, registrando-se os animais vacinados, a data de vacinação, o número de partida, o laboratório e a validade da vacina.
A vacina contra brucelose deve ser administrada com a assistência de um médico-veterinário e com os devidos cuidados na sua manipulação, pois pode contaminar quem a aplica.Usar luvas durante o preparo e aplicação.
Existem diversos calendários regionais de vacinações de bovinos, geralmente com algumas variações, para melhores esclarecimentos contatar no site www.nutroeste.com.br, ou com o médico veterinário de sua região.

Waldson Costa
Médico veterinário
Nutroeste Nutrição Animal

Clique aqui para ver o Fluxograma
Clique aqui para ver o Fluxograma

 

« voltar