WHATSAPP
62 99679-7515
 VENDAS
62 3096-2500
  portugues   espanhol   ingles
Escassez de pastagem leva produtores ao descarte de vacas em plena produtividade

Escassez de pastagem leva produtores ao descarte de vacas em plena produtividade

 
 

Especialista alerta que a situação na pecuária pode impactar o consumidor final

O cenário atual do mercado mundial de fertilizantes também afetou a pecuária brasileira. Na região Centro-Oeste os investimentos em adubação e correção de pastagens foram reduzidos em função dos altos preços dos insumos, principalmente com a alta da ureia e fosfatos. O que se espera é uma redução da taxa de lotação das fazendas por conta desses entraves.

O impacto esperado dessa escassez de reserva de pasto é a diminuição do rebanho e, consequentemente, o descarte de animais que ainda estão em plena produtividade. A zootecnista Carolinne Mota, especialista da Nutroeste Nutrição Animal, diz que esse descarte de vacas geralmente acontece quando os índices de fertilidade, do preço do bezerro e de produção são considerados desfavoráveis.

Mas o que tem acontecido com muitos pecuaristas é a necessidade de descartar vacas que ainda são altamente produtivas por conta da falta de comida. Carolinne explica que essas pastagens não receberam uma correção com calcário e adubação mineral com fosfato, potássio e com ureia adequadas. “Além disso, também observamos como entraves os problemas com a praga da cigarrinha e a diminuição de áreas de pastagem por conta dos arrendamentos para agricultura”, diz.

Impactos sentidos no campo

O pecuarista Raul Celestino, de Inhumas (GO), conta que precisou fazer o descarte de vacas devido ao cenário conturbado que a atividade tem enfrentando. “Em nossa região enfrentamos o problema da cigarrinha e a falta de insumos para uma adubação de qualidade. Além de precisar descartar os animais, ainda estamos sofrendo com a questão dos valores, já que há uma desvalorização da arroba da vaca por parte dos frigoríficos”, pontua ele.

Segundo Raul, a opção será “tirar o pé do acelerador” dentro da atividade e agir com cautela para os prejuízos serem menores. “Vou vender algumas matrizes e esperar uma melhora na cadeia de insumos. Mas, sinceramente, eu vejo que o poder público precisa criar subsídios para incentivar a pecuária neste momento, senão muita gente vai precisar abandonar a atividade por falta de lucro”, acredita ele.

A zootecnista Carolinne Mota explica que este descarte de fêmeas sem precedente vai impactar também o consumidor final. “Com certeza isso influenciará na disponibilidade de animais de reposição e consequentemente na elevação do ágio do bezerro, acarretando de forma significativa um aumento no valor da carne na mesa do brasileiro”, alerta ela.

 Afinal, qual a solução para o pecuarista?

Carolinne orienta que somente o acompanhamento dos índices zootécnicos na ponta da caneta vão poder mostrar a realidade do produtor e dar o melhor caminho. “Rebanhos que não fazem seus acompanhamentos de taxa de prenhez, taxa de natalidade, intervalos entre partos, idade ao primeiro parto, taxa e peso a desmama, não conseguem fazer  uma análise mínima sobre a viabilidade econômica de cada animal que não para de comer nenhum dia dentro da propriedade”, alerta a zootecnista.

As alternativas devem ser pontuadas para os tipos diferentes de engorda de vacas e novilhas de descarte, antes do início da seca. “Uma das alternativas para terminação desses animais seria o semiconfinamento, com a utilização de ração na proporção de 1,5% do peso vivo suplementadas a pasto, já que a forrageira ainda oferece condições nutricionais razoáveis nos próximos 60 dias”, diz.